sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Seus tons eram os neutros,
 se vestia em cores escuras.

A roupa respirava nos armários,
 básica e minimalista,
 se entrava um vestido, saíam dois.
 
O colar de pérolas acrescentava a luz,
 e é claro, as esmeraldas sorridentes de seus olhos.
 
Apaixonada frugal e discreta,
 intensidade presente e contida,
 seu riso franco nunca foi escandaloso.
 
A última vez que a vi tinha os olhos fechados,
 um colar de pérolas,
 na cabeça um lenço colorido,
 e no peito o Espírito Santo de madeira,
 que encontrei para você numa estrada.


Um comentário:

  1. Triste e comovente lembrança...permanece viva na alma e na saudade!
    Um abraço

    ResponderExcluir