sábado, 11 de dezembro de 2010

Deixar ir


perco o caderno
a cadeira
esqueço de ligar
o taxímetro

quebro imagens
ídolos
 o espelho

perdas não importam

sofro de excesso


4 comentários:

  1. eu sofro do avesso
    que exceto.

    do que me sobra incompleto.

    (desculpe. nem nos conhecemos. mas é que pensei isso qdo te li. e resolvi transcrever aqui sem censura)

    abs

    ResponderExcluir
  2. [recordaram-me uns versos de Vasco Costa Marques, que assim aconteceram:


    “Nasci quando me vi
    Melancolicamente sem raízes
    Tudo se acaba onde me acabo, vingo
    Um futuro sem mãos”

    ... serenamente, o tempo prossegue o seu ofício]

    Um imenso abraço,

    Leonardo B.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada poetas,

    preciso da reverberação dos amigos,
    vs falaram ao meu coração.

    ResponderExcluir
  4. Nice blog. I liked it! You should visit and follow my blogs. I am sure that you will like them! Thanks..

    http://antalya-magnificent-city.blogspot.com/

    http://tulparturkdunyasi.blogspot.com/

    ResponderExcluir