quinta-feira, 3 de maio de 2012

Meu tio Moysés

(arquivo pessoal, acrílico, grafite e carvão sobre papel)








Médico urologista, eprincipalmente, pessoa boa, contador de histórias fazia todo mundo chorar de rir. Morava no interior, fazendeiro carregando por onde ia  sua maleta de médico cuidava do que podia, febres, infecções, partos. Ficou doente do coração durante cinco ou seis anos, sabia de seu estado, e falava: "Quero morrer vivo".
Um dia antes de sua morte se despediu de mim contando histórias:

"Fiz tantas coisas nesta vida, coloquei no mundo tantos brotinhos bonitos, até você e sua Andrea".

Foi quem fez o parto no qual nasci,  rescém formado, minha mãe, sua irmã, os que me receberam e rodeavam jovens cheios de esperança e sonhos. E Andrea, minha filha mais velha nasceu com ele partejando. Na véspera de sua morte estava magro, risonho e já saudoso, seus olhos brilhavam, era todo amor. Gostava dos ruídos dos bichos e coaxar dos sapos. Entre as heranças que me deixou quero para mim sua generosidade, sua vontade de ajudar, sua alegria. E certamente desejo morrer viva.












13 comentários:

  1. Que história hein Eliane?
    Fiquei comovida e você me fez viajar no tempo lembrando de meus "mortos", que ainda "vivem" dentro de mim.

    Seu texto tem alma de artista, como você. Basta chegar ao final da leitura e saber-te eterna em teu legado.
    grande beijo

    ResponderExcluir
  2. Lucinha, somos feitos de memórias, não é? E não apenas as do passados, as prospectivas, veja, estou aqui com você criando memórias. Grande beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OI Eliane, bom dia. É bem verdade, as memórias são tipo uma argamassa que vai empilhando nossos tijolinhos.

      Sim, estamos aqui nós duas, construindo nossas memórias(mesmo que seja virtual)rs
      Obrigada querida por sua visita tão gentil.
      Muito prazer em conhecer a ti e a teus blogs! Qualidade na internet, é sempre o que eu busco.
      beijo e tenha uma linda semana!
      :)

      Excluir
  3. Guimarães Rosa disse que gente que é gente não morre se encanta! Alguma coisa assim, mas o sentido é esse.
    Queria ter tido um tio desses...
    Abraço apertado

    Mariinha

    ResponderExcluir
  4. Mariinha, "Meu bem, meu bem meu mau!!!!!!!!!!!!!!! Canto esta música para meus netos. Vamos encantar, como dizia Guimarães, nosso Rosa... Amor e saudades

    ResponderExcluir
  5. "Quero morrer vivo", é isso!

    Linda a pintura!

    beijinhos.

    ResponderExcluir
  6. HUGO QUERIDO!
    ESTOU PARTINDO PARA TEU BLOG. E DEIXAR MENSAGEM.

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bem??
    Já conhece o www.desvendandocasamento.com.br??
    Está bem no comecinho... Bom pra acompanhar desde a primeira postagem! ^^
    Se gostar, segue lá...
    O blog também tem uma página no Face, ok? Se quiser curtir também =)
    Beeeijos.

    ResponderExcluir
  8. Uma pequena descrição assim e dá pra ver como era inteligente e querido. Deve ter deixado uma saudade imensa..

    ResponderExcluir


  9. Es toda una motivación pasar a saludarte aunque no nos veamos. Solamente se encuentran y dialogan fluidamente los textos de nuestros sentimientos.

    Lo que nos une día a día sin tener en cuenta el tiempo ni la distancia que nos puedan separar, sin causarnos alejamiento alguno. Siendo una inmensa satisfacción saber que tú estas ahí y que escuchas el susurro de las palabras haciendo que sea aun más bello y poético el aliento de nuestra amistad.

    Un beso hecho suspiro

    Y un abrazo hecho zafiro

    Con mi afecto para ti

    María del Carmen


    ResponderExcluir


  10. Buen fin de semana te deseo,
    bajo el iris de la ventana,
    que en su sombra
    te nombra, como la criatura
    de alma con más aura,
    que descansa
    sobre la alfombra del alba.

    Gracias por llenarnos las horas de ilusiones y los sentidos de emociones.

    Atentamente

    María del Carmen


    ResponderExcluir
  11. Agradeço o comentário e espero que volte mais vezes, será sempre bem vinda! Ótimo FDS

    ResponderExcluir


  12. Hoy quiero regalarte un cofre lleno de abrazos, para cuando te invada la melancolía lo habrás y descubras el afectuoso sentimiento que en su interior te estará aguardando…

    Porque ayer has sido tú el puerto que albergo mis ilusiones, dibujando nuevos horizontes, iluminados siempre por el constante aprecio de la amistad.

    Hoy como ayer
    Me paseo de tu mano
    Dando las gracias
    Por haberte conocido.

    María del Carmen


    ResponderExcluir